Arquivo da tag: Midgardsmál

Midgardsmál

khuzdul-axe-dwalin
And my axe!
Quanto mais estudamos as línguas élficas, mais fácil é de ficar impressionado com o trabalho de David Salo, o criador dos diálogos e letras de músicas nas línguas tolkienianas dos filmes da série O Senhor dos Anéis e O Hobbit. Para esta trilogia, Salo teve de criar duas línguas inteiras: a Fala Negra de Mordor, falada pelos orcs; e o Khuzdul, falada pelos anões. Para explicar esse processo criativo, ele lançou em fevereiro o site Midgardsmal, um blog onde ele demonstra a sua abordagem e tira dúvidas dos leitores (você também pode fazer perguntas). Eu não consegui dormir ontem antes de ler tudo que ele tinha a dizer até o momento.

Muitas pessoas não sabem, mas as línguas inventadas por Tolkien sofrem de um problema crônico de falta de vocabulário. Mesmo a língua mais elaborada por Tolkien, o Quenya, tem aproximadamente 4.500 palavras reconhecidas, e nem todas atestadas. Didier Willis, criador do Dicionário Hiswelóke de Sindarin, fez uma série de gráficos interessantes sobre o vocabulário conhecido dessa língua, que é de longe a mais utilizada em diálogos nos filmes: das 2.646 palavras conhecidas no Sindarin, 1358 foram criadas por Tolkien antes de ele sequer começar a escrever O Senhor dos Anéis e nunca mais foram atestadas em lugar algum. De todas essas 2.646 palavras, apenas 245 delas são verbos!

O vocabulário é tão deficiente que Helge Fauskanger, o criador do Curso de Quenya, perguntou na lista Elfling no último dia 30 de dezembro como os membros da lista escreveriam "por que" em Sindarin, pois até hoje não sabemos!

Isso faz o trabalho de Salo ainda mais impressionante, pois o Khuzdul possui menos que 100 palavras atestadas; a Fala Negra e o órquico combinados possuem meras 31, se contarmos desinências como "palavras". É fascinante que ele conseguiu dar a sensação de uma língua tolkieniana verdadeira, tendo um material tão limitado para trabalhar em cima.

Eu sugiro que todos leiam e acompanhem Midgardsmál. Neste momento, Salo está se focando em explicar sua abordagem com o Khuzdul, mas ao longo dos próximos meses ele pode falar de outras línguas também. Vocês não vão querer perder isso.