Arquivo da tag: então

Vinyar Tengwar 49: “então/portanto”, “chegar”, “matar”, e uma alternativa ao caso instrumental

Continuando a série de novidades trazidas pelo Vinyar Tengwar 49, na página 18 Patrick Wynne interpreta a palavra sin da frase Sin Quente Quendingoldo Elendilenna como o inglês thus, que em português poderia ser "então, portanto".

Agora temos um verbo "chegar": é †tenya-, sendo o pretérito tennë, na página 23 24. Segundo o Helge Fauskanger, da Ardalambion, este deve ser o primeiro exemplo de um pretérito de verbo primário em -n.

Na página 24 encontramos a frase nahtana ló Túrin "morto por Túrin". Duas coisas interessantes:

  1. Nahta- é o verbo "matar", no inglês to slay. O Helge se pergunta se Morinehtar "darkness-slayer" em PM:384-85 é na verdade MorinAhtar;
  2. parece ser "uma partícula introduzindo o agente em uma construção passiva", segundo Helge. Talvez possa substituir o caso instrumental, ele diz.

Vinyar Tengwar 49: “Naquele lugar”, “então”, “antes”

Mais algumas que apareceram no Vinyar Tengwar 49: Possuíamos a palavra sinomë "neste lugar" no Juramento de Cirion. Agora temos tanomë para "naquele lugar". Em uma adição relacionada, significa "então" (compare com "agora"). Lembrando que esse "então" é o inglês then, não o inglês so, para deixar bem claro. Nas listas de palavras do Helge, suplantará san do Qenya.

Aliás, o Helge menciona uma palavra etta para "portanto" (ing. therefore) e a não-utilização de um asterisco antes dela sugere que a palavra aparece no VT49.

Na p. 12 temos mais uma demonstração da maneira estranha que a mente élfica funciona. Citando o Helge:

Os Eldar imaginavam o tempo futuro (tempo que vem "após" o presente) como sendo "antes" deles, portanto a preposição que significa "antes" em relações espaciais significa "após" quando aplicado ao tempo. Portanto, epe como "antes" não contradiz a tradução de epessë como "pós-nome" (apelido). "Antes" no tempo pode ser , ver noa "ontem" (mas em outro manuscrito, a mesma palavra é usada para "amanhã"!).

Lembrem-se todos que nós amamos Tolkien e não deve passar em nenhum momento por nossa cabeça a vontade de xingar ele de qualquer forma, não é mesmo? 🙂