Capa do Parma Eldalamberon 22

Parma Eldalamberon 22 anunciado

Anúncio do Parma Eldalamberon 22, na íntegra:

PARMA ELDALAMBERON 22

O Alfabeto Feanoriano, Parte 1

e

Estrutura Verbal do Quenya

Por J.R.R. Tolkien

Editado por Christopher Gilson e Arden R. Smith

http://www.eldalamberon.com/parma22.html

Nesta edição do Parma Eldalamberon, nós apresentamos várias peças sobre as línguas e escritas inventadas por Tolkien.

“O Alfabeto Feanoriano, Parte 1” é a versão mais antiga e mais longa da descrição do seu sistema de escrita, datado do final da década de 1930. Quatro modos são descritos para representar diferentes língaus inventadas — lindarin, qenya, parmaqestarin, noldorin antigo e beleriândrico — dos quais há uma edição revisada de texto dos anos 1940 para o segundo. Há tabelas para cada modo com as letras usadas e seus nomes. Exemplos são dados de várias linguagens, em tengwar com transcrições, para ilustrar diferentes pontos de uso e certas mudanças históricas que afetaram o sistema de escrita.

“Ortografia de Qenya” é a porção sobrevivente de uma Gramática de qenya contemporaneamente próxima da versão inicial d’O Alfabeto Feanoriano. Ele descreve a ortografia da língua escrita naquele texto e sua transcrição em alfabeto latino de acordo com o uso de Ælfwine. Baseado nisto, há seis versões de um texto chamado “Sobre a Ortografia de Ælfwine”, cuja mais tardia provavelmente data de cerca de 1950.

“Estrutura Verbal do Quendiano e Eldarin Comum”, provavelmente datando dos anos 1940, descreve o fundo etimológico à estrutura gramatical do verbo do quenya e suas conexões pré-históricas com os sistemas verbais de outras línguas élficas. Intimamente associado com esse texto está o “Sistema Verbal do Quenya”, parte de uma gramática do quenya contemporânea. Ele descreve a formação de várias raízes de tempos verbais e particípios de verbos do quenya e suas inflexões para número e voz, com algumas notas sobre sintaxe, e uma seção sobre “Verbos Irregulares”.

“Eldarin Comum: Estrutura Verbal” é uma revisão e elaboração do material de quendiano e eldarin comum, datados de aproximadamente 1950. É um texto que acompanha “Eldarin Comum: Estrutura de Substantivos”, publicado no Parma Eldalamberon 21, ambos sendo partes de uma gramática comparativa projetada das línguas eldarin.

“Notas Tardias Sobre a Estrutura Verbal” é um conjunto de textos, datados de 1969, lidando com conceitos revisados por Tolkien de inflexão verbal para tempo, substantivos e adjetivos verbais, expressões condicionais e o verbo negativo.

Nós esperamos que o Parma Eldalamberon 22 esteja disponível para envio em 1º de junho de 2015.

O custo é US$ 40,00 por cópia, incluindo postagem.

Para comprar agora, use este link do PayPal:

https://www.paypal.com/cgi-bin/webscr?cmd=_s-xclick&hosted_button_id=ETB6FBA62MZMG

Ou mande um cheque ou ordem de pagamento (moeda dos EUA apenas) para:

Christopher Gilson
1240 Dale Avenue, No. 40
Mountain View, CA 94040
United States of America

Como começar a usar as letras élficas

As letras élficas não são difíceis de aprender: em um dia já dá para começar a escrever tudo que você quiser.

Língua

Memorização

Comece escrevendo à mão. Sim, será horrível. Sim, você terá vergonha de mostrar para as pessoas. Não parecerá nada com o que Tolkien fez. Mas você não precisa de qualidade de traço, você precisa aprender as tengwar. Memorizá-las.

Se você for muito esforçado e tiver o equipamento correto1, já poderia criar coisas como esta:

Uma foto publicada por Jae Shin (@jmshinhira) em

Usando as fontes élficas

Assim que você pegar o jeito à mão, pode começar a usar as fontes élficas.

Como? Caso tenha instalado meu pacote de fontes élficas, vá na pasta C:\Program Files (x86)\Fontes Elficas\Tengwar Annatar e abra o arquivo tngandoc.pdf. Das páginas 6 a 10, há um excelente mapa de caracteres que você pode usar de referência. Ele te diz a tecla que você precisa pressionar para sair cada caractere. Quando eu comecei, mantinha impresso do meu lado até que me acostumei com o layout. Depois de um tempo, você sabe que j#w$ significa lambë “língua”2 e aDjt# é calma “luz”3.

instruções-mapa-caracteres-élfico

Deixe que a máquina faça o trabalho sujo

Se você quer uma frase escrita em Quenya, Sindarin ou Inglês, há uma opção ainda mais fácil do que escrever tudo à mão: o Online Tengwar Transcriber. Basta escrever a frase que você quer, escolher a língua e clicar “Transcribe”. O resultado que sai em “output” deve estar correto, se você fez tudo como eu disse.

Não existe nada similar pronto para português neste momento, motivo pelo qual eu me recuso a fazer transcrições para as pessoas. É simplesmente trabalho demais para alguém que já está em dois empregos.

ott-com-frase-em-quenya


  1. Se você gostar de escrever a mão, compre um kit de caligrafia ou uma pena e tinta. Dei uma pesquisada e até a data que escrevi este texto, o valor de um kit grande estava em torno de 100 reais. Melhores ferramentas lhe dará melhores resultados, mas apenas se souber usar. Por isso, minha outra dica é fazer cursos de desenho caligráfico, já que “curso de caligrafia” costuma ser anunciado para ajudar pessoas que têm dificuldade de escrever. 
  2. j#w$ 
  3. aDjt# 

Projeto de Kickstarter para ferramenta de ensino de élfico

Gostaria de chamar a atenção para um projeto do Kickstarter: o Elvish Linguistics Learning Tool.

A premissa é criar, com U$ 4.000, um software capaz de ajudar o estudante a visualizar o signficado da palavra enquanto lê uma frase, com a sua pronúncia e sua raiz exibidas em tempo real. Essa ferramenta poderia ser utilizada para aprender outras línguas também, não só o Sindarin, que é o foco inicial.

Uma demonstração do funcionamento pode ser acessada aqui. Também há uma demonstração da interface do professor. A especialista do projeto é Fiona Jallins, da Universidade de Montana e, se tudo der certo, David Salo, consultor de línguas dos filmes das séries O Senhor dos Anéis e O Hobbit também participará.

Neste momento, 75 pessoas fizeram doações no valor de U$ 3.613, faltando 11 dias para o final das doações.

Jasmim em élfico

Há uns anos atrás, a Yasmin Lothuilë da Valinor me fez uma pergunta por e-mail: lothuilë era uma boa tradução para “jasmim”? Respondi o seu e-mail e, com a sua permissão, o reproduzo abaixo para quem tem interesse em aprender a abordagem correta para traduzir seus nomes ou criar novos substantivos.

Um feliz Tolkien Toast a todos!


Terça-feira, 22 de novembro de 2011:

Não tenho certeza se esse seria o nome. “Flor” é traduzido em S. loth. O outro elemento me parece ser o S. uilos, que significa “branco eterno como a neve” (é um adjetivo, denotando que a cor é branca, e que parece com a neve, e que parece que nunca deixa de ser branca).

Quem traduziu substituiu -os por , para que o nome tivesse um sufixo feminino e que tivesse três sílabas ao invés de quatro. Contudo, essa pessoa esqueceu que o final no Sindarin teria desaparecido (por isso você não vê nomes em Sindarin com trema). Isso deixaria o nome com o final -uil, que significa “alga” em Sindarin, e que não faria muito sentido (exceto como nome das flores de vitória-régia).

Na minha pesquisa descobri que o jasmim tem mais de 200 espécies, algumas são amarelas e outras são até avermelhadas. A predominância do jasmim branco pode ter feito com que o tradutor tenha escolhido essa cor como representativa. Contudo, pelo que eu li, a principal característica do jasmim é que a flor só abre à noite. A minha abordagem então seria fazer um nome aproximado do que seria o nome não-poético do pássaro rouxinol, em ing. nightingale.

O poético você já conhece: Tinúviel, que seria a mistura de tinu “pequena estrela, brilho pequeno” com “noite” (fazendo tinnu(w) juntos) e sell “donzela”. O não-poético seria dúlin, formado de + lind “cantor”. Dúloth seria “flor da noite”. Esse nome seria consistente com Imloth “vale de flores”, que foi criação do próprio Tolkien. Essa seria a minha tradução final, então: dúloth.

Languages of Middle-earth

Existe um grupo de compositores e tradutores de poema para as línguas tolkienianas no Google+ chamado Languages of Middle-earth. Deve ser a única coisa que presta no Google+, mas não encontrei um grupo com a mesma qualidade desde que a Elfling parou de funcionar no Yahoo! Grupos.

Parabéns ao Tamas Ferencz pelo excelente trabalho no grupo.